quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Carpetes I - Totoloto

Preâmbulo

Olá. Acontece que me fartei consideravelmente do tipo de coisas que escrevia, e decidi criar uma história de raiz para vocês. Criar histórias é sem dúvida aquilo que me confere mais prazer de escrever, sendo esta mais uma na senda da idiotice sem pés nem cabeça que foram as histórias do porco, como dos ministros portugueses, etc... Só espero corresponder digamos, pois dá um certo prazer gostarem do que eu escrevo, convenhamos!...


----------------------------------"----------------"--------------------------------------------

Num certo dia nasceu um tipo. Não é que não pudessem nascer outros, pois os tipos e tipas nascem à pázada, mas este tipo que falo tinha um não sei quê que o tornava de certo modo especial. Com a palavra especial não se deve subentender que tivesse um talento escondido que fosse bom, é mais pela ausência do mesmo. Todos os anos adorava ir à praia, com o propósito de levar com ondas fortes no trombil, bem como tentar caçar formigas a tiro de caçadeira. Imaginava esta última parte. Sonhava em ter um lugar importante no mundo, embora estivesse predestinado a ser um varredor de ruas. Em busca dos seus sonhos foi tentar gastar ordenados nos totolotos e euromilhões. O que sucede é que ganhou a lotaria. Possivelmente gastou um terço do dinheiro que recebeu, visto que tinha recebido uma pequena fortuna do seu tio Anatole. Ficou contente.

É impossível tentar descrever um outro sentimento além desse, embora tivesse dado cabeçadas na parede e pedido que lhe dessem porrada para ver se tudo aquilo do prémio era real. A sua vil esperteza custou-lhe a fortuna. Depois do enxerto de porrada, acontece que ficou estendido no chão...sem dinheiro. Conta quem viu os ladrões que estes partiram no seu fiat punto GT e nunca mais foram vistos...em Figueiró dos Vinhos, agora habitam em Santa Comba Dão... Quando o tipo se levantou, tinha ratos a roerem-lhe o sapato, tendo tratado deles fazendo uma churrascada de rato com uns coentros que comprou com uma nota de quinhentos euros... Feitas bem as contas viu-se de novo na pobre vida que levava, tendo pedido um empréstimo ao banco para voltar a gastar fortunas no totoloto. Existe gente que não aprende. Mas ele aprende. Pelo que percebeu antes tudo foi bem feito, só a parte da porrada é que não tinha nada que pedir...tipo esperto.

Ao fim de cerca de quinze anos de trabalho duro a limpar as ruas que as pessoas poluíam de propósito para ele ter algum trabalho, ele voltou a ganhar o totoloto, e decidiu ir viver para outro país, que no seu entender seria Lisboa, pois era burro suficiente para afirmar que a capital portuguesa era um país...

(continua...)

3 comentários:

White_Fox disse...

Deixa lá que já vi no programa da TVI a dizerem que sevilha e Paris eram Países! E era uma gaja (se calhar era casada com esse tipo, lol).
E deixa lá que essa subita queda "social e financeira" acontece a muito boa gente!
Epá, mas gostei (e um fiat punto GT é uma ganda máquina, loooool)! Estou à espera da continuação.

mymind disse...

lool
... epa a vida é feita de altos e baixos
bm f-d-s
bjts

wiLey_Lewis disse...

Obrigado pela visita e pelo comentário :)
Este texto está muito engraçado, é de facto o que se passa. As pessoas que de um momento para o outro se vêem com muito dinheiro, em vez de o depositarem no banco para o porem a render, gastam-no todo em coisas fúteis.
Até à próxima