terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

moisés não foi à montanha, é que tinha uma consulta no médico às 16h da tarde

Num futuro ainda algo distante está para nascer um brilhante economista. O termo brilhante pode ter várias interpretações. Uma delas é a do costume, faz algo de concreto que se afigurava ser bom, no entanto o concreto traduz em poeirada para cima da população. E...existe a outra maneira de interpretar essa palavra. Brilhante remete sempre a algo positivo, mas no entanto o brilhante será pôr o país na ruína em apenas dois dias ( o primeiro é o dia em que se é escolhido pelo Primeiro ministro da altura para ser o dito ministro das finanças, o belo dia de enfardar cerveja e champanhe pela goela abaixo)... Talvez seja eu quem sabe...Da forma como eu entendi tudo o que se deu nas aulas faz-me sentir perfeito, o chamado perfeito burro miserável...

Sendo eu dominado pela bela conversa de saca-rolhas que nada diz de concreto poderei vir a ser um bom ministro. Neste assunto a palavra 'bom' é sempre em termo depreciativo está claro. Mas fazer o quê? O que fazem eles que nós não fazemos? Vão à assembleia da republica discutir ideias em vez de ir à igreja roubar aquela porcaria da óstea a pensar que é uma bolacha de gengibre? Ora... Se o ser humano é suposto querer sempre fazer o mínimo possível com o mínimo de trabalho então o caso mais óbvio em relação a isso é os ministros.

Grande parte deles são advogados não é verdade? Só por aí vê-se logo que são gatunos. A advocacia consiste na base prática( não é teórica porque a lábia é inata) para se chegar a ministro, essa arte de bem chular a população. A desculpa dos aumentos dos impostos é sempre cómica, basicamente aumentam-nos para eles próprios poderem receber maior salário no fim do mês. Depois é só dar a desculpa de equilíbrio de contas, por outras palavras, 'ah tenho uma vivenda e um mercedes para pagar, dá-me jeito'- lá está, aí não mentem, só nao referem o equilíbrio de contas em relação a quem...

Verdade ou não isto são apenas teorias. Não é que esteja desconfiado, porque toda a gente percebe que cá em Portugal qualquer Alberto João Jardim é visto como um deus lá na terra dele, ou seja, a táctica do 'deixa andar' é por demais usada por estas bandas. Pode ser que apareça um salvador. Desconfiem dos pobres mendigos que andam nas ruas a monte, vai na volta têem mais capacidade governativa que certas pessoas...

3 comentários:

White_Fox disse...

Eu para economista não tinha jeitinho mesmo nenhum (se bem que até me safo razoavelmente bem a matemática, mas pronto).
Se fores para ministro avisa para eu ligar na rtp2 e ver o ARTV. Comer pipocas e ver akilo é do melhor.

Já agora, o que é que isto tem a ver com o título? LoL

P.S. - deixei-te um prémio no meu blog

Joao disse...

Tem a ver com a parte do salvador no fim do texto enfim...se é que se pode dizer que haja realmente uma comparação...

Andreia do Flautim disse...

Eu gostei foi do título!