terça-feira, 11 de março de 2008

Falavas acerca do futuro? Isso come-se?

Pescar sem cana de pesca usar...apanhar bebedeiras a beber água... ser míupe e não usar óculos...um tipo pasmar de ver elefantes a acasalar... Após este pequeno interlúdio lúdico, o que se tira daqui? Está claro que dava para uma música do Abrunhosa. Quem se lembra da música 'momento' dele sabe do que estou para aqui a divagar... Não obstante ele mesmo admitir que canta mal, é notória a sua expressão quando canta. Aquele tipo de voz assemelha-se muita vez a quando um tipo se encontra na retrete a fazer uma produção notável de um determinado acto e tal...


Sussurros vêem de um local escuro, numa casa no meio de uma floresta, ouve-se vozes a guinchar... o dito cujo estremece a vizinhança, tal a inquietude do barulho vindo de uma determinada cama... Entende-se o porquê por fim. É que há gente que tem como costume chutar sem querer um dos pilares da cama, o que não dá jeito, se se considerar que para completar o esquema bate com a focinheira na cómoda do lado esquerdo da cama. O que se passa é que existiam duas vozes a fazê-lo. A segunda voz estava claramente a ver as televendas e a lastimar-se sobre como podia ser tão burra de comprar tanto material claramente sem uso nenhum...


A noite é longa. Ouvem-se corujas a piar, enquanto que uns cangurus tocam tambor para aquecer porque está fresquinho... A floresta é negra, repleta de pó cineráreo... Queimaram-se imagens publicitárias de algum presidente norte americano burro da época que findou... Os coelhos trataram de dar vida à floresta. Não que tenham aspecto de fada madrinha, mas aquilo quando não lhe apetece estar a fugir dos mochos trata de dar trancada para botar cá para fora uma ninhada por dia.... O chamado efeito máquina de tabaco, põe-se 'dinheiro' e tem-se o que se pediu...


Adiante...Do alto da colina avista-se uma casa estranha, plantada num local com um fosso à volta. O fosso tem cerca de trinta centimetros de altura, logo é aquilo a que se chama, fosso para plantar batata... Ouve-se uma voz, é a bruxa Maria Antónia . Trata-se da típica mulher do interior ( no caso de Portugal claro), ou seja, barba farta, dedos de quem esteve a plantar coentros sem arado, e um sorriso encantador daqueles... Acontece que era muito malvada. Só escrevo esta parte porque é típico e tal. Tão malvada que roubava pastilhas às poucas pessoas que passavam por ali e borrava as paredes sempre que a comida era cozido. Borrava com o cozido claro está, acontece que lhe dava na cabeça que isso matava as baratas que pela sua casa andavam...

Certo dia plantou uma maceeira. Isto parece a história da branca de neve sem a parte do cozido mas eu mudo um bocadinho calma. A maceeira dava maçãs, é espantoso...... é que sendo bruxa é costume sair das árvores botas para depois cair no rio e um urso ir lá pescá-las... A bela adormecida aqui chama-se José Sócrates. Mais uma vez, uma mulher do interior, moustache bem aparadinho, barba feita e tal, só a voz é que não sofreu grandes alterações. A maçã do poder, também designada de 'apanha no focinho Sócrates', é usada certo dia quando a bruxa se dirige a uma clinica de desintoxicação de estupidez. A bruxa obriga-a a comer a maçã, mas ela só aceita quando diz a bruxa diz que assim poderá aumentar os impostos ainda mais. A maçã do poder ao invés de lhe matar deu-lhe inteligência. O que faz ele com isso? Ganha remorsos e mata-se! E depois, que futuro?

Fim

5 comentários:

White_Fox disse...

O futuro é os animaizinhos irem todos ao funeral! Ah, espera! Isto não é o "Sócrates no Páis das Maravilhas".
A única coisa que sei é que com esse "desaparecimento" a história será mt melhor...

Andreia do Flautim disse...

Aquela do Abrunhosa está fixe!

eu mesma! disse...

oh pa não percebi muito bem o fim...quero que me contes melhor!

Joao disse...

Bom, acontece que a bela adormecida morre e depois o que sucederá ao país nao se sabe exactamente...

rui disse...

Olá João

Estás cada vez melhor!
Achei o máximo a clínica de desintoxicação.

Grande abraço

Fica bem