quarta-feira, 11 de junho de 2008

Zangam-se as comadres

Parece que a falta de petróleo alastra-se a todo o país. As soluções estão longe de ser encontradas. Sinceramente há falta de carisma na liderança de Portugal. Quem fala deste problema pode falar de muitos outros, como promessas de não aumento dos impostos por parte desse senhor que se encontra a tomar conta do rumo do país, coisa que mal chegou lá tratou logo de contradizer-se... E depois é ver o nosso presidente da república a exercer firme confiança na mestria de nabo do nosso primeiro ministro, é só sorrisinhos...

Vamos por partes. Existe o exemplo do IA. O tão controverso imposto automóvel. Acontece que isso é coisa que em muitos países da Europa já não existe, e quando existe, não é tão alto o valor quanto cá. Pelo menos tendo em conta a diferença de carteira que existe cá e em outros países mais ricos. Recordo-me perfeitamente de quando saiu um determinado modelo da Mitsubishi. A versão mais pequena do Pajero, de nome Pajero Pinin. Sucede que o carro quando saiu custava apartir de cerca de 3700 contos. Pouco tempo depois surgiu um incremento do IA e ficou em cerca de 5500 contos o modelo base...

O termo 'vão roubar para a estrada' aqui nem se põe, porque a gente nem carro para andar na estrada temos desse jeito...

Vendo bem as coisas, à vinte e dois anos atrás, quando Portugal entrou na UE, quem não geriu bem as receitas que entraram no país foi o tipo que tem o cargo de andar a visitar Portugal e comer pasteis de nata pelo caminho, o sô doutor Cavaco Silva... Digo isto porque acontece que à uns tempos ouvi dizer que o país em 1992 esteve à beira da bancarrota... E porque é que isto aconteceu? Porque em 1990 entraram mais países na UE, o que fez com que Portugal recebesse menos fundos. A questão dos fundos era, logo de príncipio, para preparar o país para a entrada no mercado europeu, para obter a tão desejada competitividade, coisa que nunca existiu... Hoje em dia somos um país que se falissemos poderíamos viver dos fundos da Alemanha, que é um país riquíssimo e com estabilidade financeira mais que evidente...

Mas voltando ao assunto base, acontece que o país caiu na quase bancarrota devido em grande parte ao mau uso daquilo que entrava no país para ajudar, ou seja, o culpado foi o primeiro ministro da altura, ou seja, o nosso presidente da republica actual...

Decerto que é mau estar aqui a lamentar agora, mas confesso que o problema disto tudo está na raiz, e com isto quero dizer que se hoje existem tantos problemas a nível da educação, então como seria à vinte anos atrás? Se não se forma bons profissionais, como querem que o país vá para a frente? Mesmo o nosso primeiro ministro de agora obteve aquela polémica com aquela faculdade, que supostamente facilitou a sua licenciatura...

Existir pessoas inteligentes existem, só não existe é ''paciência'' para pôr isto a andar... Como país pessimista que somos, as nossas atitudes também o são, logo a modernização vai pelo mesmo caminho.

5 comentários:

Andreia do Flautim disse...

Isto a andar como anda, não vamos a lado nenhum...

Lyra disse...

Moço... nã leves a mal, mas gosto mais dos teus posts com outro relato... para pessimismo, basta-nos pensar no real.
Gosto mais da tua surrealidade :D
Bjos, mtos

White_Fox disse...

E normalmente os "mais inteligentes" vão para fora do país. Espertos...

Jedi Master Atomic disse...

Vá, vamos lá a levantar a cachola que, como diz a lyra, para pessimismo, não fazemos nós cá falta.

Nanny disse...

És das poucas pessoas, que conheço, que conseguem fazer essa análise retrospectiva :-)

Parabéns!

Já no meu tempo de curso, tive um professor que nos disse a certa altura: "A capacidade mais incrível que o ser humano tem, é a de ESQUECER!"

Este país é a prova comprovada disso... um gajo que foi dos piores 1ºs ministros que tivemos, chegou a presidente da república... dos bananas, claro!

Beijocas