quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Seguros sem tranquilidade

Hoje em dia poucas são as coisas que não necessitam de um seguro. Se tens joías, faz um seguro; se tens carro, faz um seguro, e por aí adiante... mas isto de ter um seguro tem tudo menos piada!

Acontece que ontem bateram no carro do meu Pai mesmo sem ele sequer estar lá dentro. Passo a explicar. O meu Pai costuma pôr o carro na garagem, até porque é bastante recente e dá sempre jeito ter garagem nos dias que correm, visto que na zona em que vivo a polícia aperta com a malta que põe o carro em cima do passeio, ainda que não haja espaço para pôr o mesmo em sitio algum, mas isso são outras situações a ver com os presidentes das câmaras municipais que têem por base ser um tanto quanto bestas quadradas...

Mas adiante. Por uma certa falta de costume, lá o deixou certo dia fora da garagem e ontem deparou-se que lhe tinham deixado o pára choques do lado direito um bocado mal tratado. Não que tivesse afectado grande coisa em termos de prestações do carro e condução, nada que se pareça, mas lá ficou ali uma molssa pequena...

O mais ridículo é a treta dos seguros. Eu nem sabia, porque apesar de já ter carta ainda não tenho carro próprio, mas os seguros são uma completa parvoíce. Ao que parece sempre que se bate e quer-se que o seguro pague os estragos é preciso pagar quando contamos o sucedido, só que o pagar é uma conta por demais astronómica, cerca de metade do que já se paga por ano daquela porcaria.

E tem mais. Não fazia ideia, mas o mais risível é que por cada vez que se bate e pedimos aos seguros para cobrir os estragos, ainda passamos a pagar mais por ano de cada vez que batemos! Eu fiquei estupefacto com isto, e o pior é que esta porra do seguro é obrigatório!

Por ultimo, e fora deste assunto, parabéns ao Obama. Não é fala-barato, tem um carisma razoável, e agora as expectativas aumentam. Força aí!

7 comentários:

Inês Brito disse...

Está decicido. O meu Pai quer que em Maio comece a tirar a carta e eu vou fazê-lo por questão de utilidade, mas depois ando na rua de bicicleta, vou para a Faculdade (se é que entro) de bicicleta, se for de férias para longe vou de bicicleta, vou às compras de bicicleta..pelo menos até não terem seguro obrigatório e se eu ainda não me esqueci de como se anda. :P

Bj,
(i)

Salto-Alto disse...

Não sei se é bom presságio misturar sinistros rodoviários com o Obama! :) Pois, essa treta dos seguros é um poço de dinheiro para eles. Eu não sabia a parte que contaste de se pagar quando se conta o sucedido, é ridículo!

DANTE disse...

Os seguros realmente podem agravar por conta de sinistros consoante o historico de acidentes de cada condutor , mas eu nao pago nada por relatar um.
Melhor é mudares de companhia de seguros. Vale sempre a pena ver as ofertas existentes no mercado.

Um abraço

Lu.a disse...

Os seguros são a maior VIGARICE que anda aí!

Andreia do Flautim disse...

Bolas, vocês estão é a ser roubados por esses seguro! É melhor mudar para outro!

Jedi Master Atomic disse...

É normal pagares mais cada vez que tens um acidente. É uma forma de motivar as pessoas a não ter acidentes, ou pelo menos, não os reportar às companhias de seguro. Os gajos não são parvos....lol

A situação em que batem em nós (a culpa é do outro condutor) e fogem é diferente de quando não fogem. Neste caso o teu pai deve ter acionado os danos proprios, digo eu.

Nomyia disse...

Transportes Públicos sem dúvida. Mal-cheirosos. A abarrotar. Poluentes. Corremos o risco de ser insultaods, esmurrados, apalpados, roubados... Agora não me lembro de mais, mas se calhar é melhor do que não ter carro...
Bem, pensando melhor, prefiro o carro e o seguro!
*****