segunda-feira, 26 de julho de 2010

Ileso, lixado e liso

Nos últimos dias tem feito daquele calor que por norma põe um gajo a destilar. E um gajo destilar quando é pele e osso apenas não é propriamente fácil de acatar, mas vai dando para sobreviver... Mas tanto é o calor que está, que estar em casa todos os dias é, na verdadeira acepção da palavra (até porque é a única acepção convenhamos), uma chatice de todo o tamanho.

Desde que abriu o Casino Lisboa tenho costumado ir lá ao café. Sim, para gastar muito dinheiro estão lá os chineses a render, eu cá dispenso essa tarefa. Estou se calhar demasiado habituado a usar transportes públicos, e ontem lixei-me e bem. Pois é, depois do tal café, lá fui eu para casa de autocarro, o último por sinal, da 1h. Sucede que no mesmo autocarro vinham cinco caralhetes que até nem tinham lá grande figurino de palhaços assaltantes, mas no fim esta análise a modos que me custou um bocadinho...

Saíram na mesma paragem que eu, em que mais ninguém desceu. Ora, está-se mesmo a ver... Mal saí da paragem dois deles começaram logo aos pontapés em caixotes do lixo e na prática comecei logo a ver que vai na volta estava lixado....Passei por eles e quando já tinha andado algum avanço a todos, houve um daqueles pancrácios que me perguntou se tinha moedas para tabaco.... Eu como tinha um par de vinte cêntimos no bolso sem ter de tirar carteira, lá lhes dei porque aquilo não era por 40 cêntimos que ia arranjar problemas...

O pior veio depois...

'-Então e notas tens?' - Nem uma, já não tinha dinheiro nenhum comigo...

Está claro que a cambada tinha de confirmar. Lá comecei aos empurrões, alguns 'tira a pata do bolso' mas rondando um gajo não pode fazer grande coisa... Lá confirmaram, só que a parte chata é o cartão multibanco, e o ter um banco mesmo ao lado.... Obrigaram-me a meter código e levaram tudo....

Nalguma coisa eu até tive sorte. Fiquei com tudo, menos o dinheiro que tinha no cartão, embora ainda nem tivesse usado mesada e com isso fiquei pior que lixado. Tanto chaves, como telemóvel e os restantes cartões, isso ficou tudo. Também posso dizer que para alguma coisa serviu ter ido atrás deles quando começaram a fugir com a carteira, por se encontrarem dois carros perto parados num cruzamento algo longe, mas lá consegui que me devolvessem a carteira no fim por ter corrido o equivalente a metade de um campo de futebol de uma ponta à outra, talvez devido à insistência lá largaram a aquilo no fim....

Em suma, foi a primeira vez em praticamente vinte e dois anos que fui assaltado, quando até moro numa zona que ciganos abundam, e daqui tiro uma coisa: em tudo semelhante ao nome do antigo post, 'alguém me aluga uma espingarda'? Apetecia-me muito ter tido uma naquela altura. Tirando isso, tenho andado constantemente a adiar, mas talvez seja melhor começar realmente a ir para o ginásio para ver se deixo de ser assim tão magro, parece que não já alguns amigos me têem dito para ir para isso e para mais acaba por ser bom tanto para boas como más situações em que nos vamos envolvendo ao longo do tempo....

2 comentários:

Inês Brito disse...

Deve ter sido um grande susto! Eu acho que não conseguiria ter sido tão racional numa situação dessas. O mais certo era desatar aos gritos e não saber o que fazer.

Bj,
(i)

João disse...

Susto, susto não foi porque nesse tipo de situações creio que o melhor de tudo é manter a calma, porque com gritos é quando essa malta mais perde a cabeça também e ainda pior fica...

Foi mais um embaraço com alguns pontapés e empurrões pelo meio, mas infelizmente acontece...

Até porque na própria altura, estava um tipo de prai 60 anos do outro lado da rua, só o que o se passa é que as pessoas tendem a fugir quando uma pessoa se lixa, e apesar da cobardia, também há que reconhecer que estão pura e simplesmente a zelar pelos seus interesses.....