sábado, 31 de julho de 2010

Inovar ou estupidificar?

Há cerca de dois dias fui à praia pela primeira vez este ano. Sim, não me recordo do dia certo, fruto da bebedeira que se seguiu à mesma. Mas foi giro, toda a gente sabe que mesmo não indo à praia com o intuito de ir para lá beber água do mar que é particularmente ridículo, outra conclusão que a gente chega sempre quando lá vamos é que o estômago ressente-se e dá-nos fome. Fome e...sede. É mais sede. Sim, ter sede é bom. Águinha? Pode ser, e ainda é melhor se for daquela com cevada! Sim, com cevada satisfaz. Muito!

É estranho ir à praia só em Agosto. Qualquer pessoa à partida estranha uma coisa pela primeira vez. Foi assim quando vi o filme Titanic, aquelas quatro horas de filme com intervalo quando apenas faltava uma hora para acabar deixaram-me com umas dores nas pernas que até os pés estavam dormentes! Foi isso e a componente romântica do filme, é que não é costume haver histórias românticas quando os navios vão contra um icebergue, e aquilo havia de ter sido na minha opinião um filme com passagens de checkpoint entre cada pequeno icebergue até chegar ao último em que o pessoal ia todo à vida. Manobras arriscadas, bombordos e estibordos, o pessoal a entusiasmar-se com 'iupii mais um icebergue passado' até que depois de três ou quatro iupii's viesse a parte final do 'porra para isto estamos lixados'....

Mas são teorias. Ninguém pergunta porque os ratos ou coelhos existem às carradas mesmo quando somos pequenos, portanto não temos legitimidade suficiente para perguntar porque diabos o Titanic não foi um filme com chamarizes como checkpoint's...

Sim, não perguntamos porque lá no fundo sabemos a resposta. É exactamente aquela que eu dei à descrição do blog : um blog que consiste e insiste em falar sobre assuntos que não interessam a ninguém. O porquê disto tudo é sempre simples: é estúpido e enche parágrafos, logo (não) é francamente engenhoso!......................


PS: Apenas escrevi sobre o Titanic porque sei que não vou ferir qualquer pessoa quando digo que o filme ficaria melhor daquela maneira, uma vez que não há ninguém que conheça ou que ache que o Titanic é o seu filme favorito, pelo menos eu noto isso quando oiço as palavras 'horrível', 'secante' ou a sequência de palavras 'Francamente filme mais chato não há'....

terça-feira, 27 de julho de 2010

Torra torra palhaço torra!

Hoje tive de tratar dumas papeladas importantes ali para os lados da Av. da Liberdade. Estava fresquinho, e manteve-se fresquinho o tempo todo, foi uma alegria... Batia tanto sol no trombil que uma pessoa para abrir os olhos, olhava para o chão e tentava não ir contra os postes plantados por ali. Sim, porque eu não me ajeito com óculos de sol, e apesar de ter uns que custaram tanto como um menu BigMac (vá, mais 30 cêntimos enfim), a verdade é que não me gosto de ver com aquilo porque não gosto lá muito de chamar a atenção para o que quer que seja...

Partindo a pé desde o Marquês de Pombal, descer aquilo nestes dias é francamente positivo se quisermos uma razão para acharmos que a inteligência não é propriamente o nosso forte...

Agora de férias vou tentar voltar à saga da chamuça que coitada anda esquecida...

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Ileso, lixado e liso

Nos últimos dias tem feito daquele calor que por norma põe um gajo a destilar. E um gajo destilar quando é pele e osso apenas não é propriamente fácil de acatar, mas vai dando para sobreviver... Mas tanto é o calor que está, que estar em casa todos os dias é, na verdadeira acepção da palavra (até porque é a única acepção convenhamos), uma chatice de todo o tamanho.

Desde que abriu o Casino Lisboa tenho costumado ir lá ao café. Sim, para gastar muito dinheiro estão lá os chineses a render, eu cá dispenso essa tarefa. Estou se calhar demasiado habituado a usar transportes públicos, e ontem lixei-me e bem. Pois é, depois do tal café, lá fui eu para casa de autocarro, o último por sinal, da 1h. Sucede que no mesmo autocarro vinham cinco caralhetes que até nem tinham lá grande figurino de palhaços assaltantes, mas no fim esta análise a modos que me custou um bocadinho...

Saíram na mesma paragem que eu, em que mais ninguém desceu. Ora, está-se mesmo a ver... Mal saí da paragem dois deles começaram logo aos pontapés em caixotes do lixo e na prática comecei logo a ver que vai na volta estava lixado....Passei por eles e quando já tinha andado algum avanço a todos, houve um daqueles pancrácios que me perguntou se tinha moedas para tabaco.... Eu como tinha um par de vinte cêntimos no bolso sem ter de tirar carteira, lá lhes dei porque aquilo não era por 40 cêntimos que ia arranjar problemas...

O pior veio depois...

'-Então e notas tens?' - Nem uma, já não tinha dinheiro nenhum comigo...

Está claro que a cambada tinha de confirmar. Lá comecei aos empurrões, alguns 'tira a pata do bolso' mas rondando um gajo não pode fazer grande coisa... Lá confirmaram, só que a parte chata é o cartão multibanco, e o ter um banco mesmo ao lado.... Obrigaram-me a meter código e levaram tudo....

Nalguma coisa eu até tive sorte. Fiquei com tudo, menos o dinheiro que tinha no cartão, embora ainda nem tivesse usado mesada e com isso fiquei pior que lixado. Tanto chaves, como telemóvel e os restantes cartões, isso ficou tudo. Também posso dizer que para alguma coisa serviu ter ido atrás deles quando começaram a fugir com a carteira, por se encontrarem dois carros perto parados num cruzamento algo longe, mas lá consegui que me devolvessem a carteira no fim por ter corrido o equivalente a metade de um campo de futebol de uma ponta à outra, talvez devido à insistência lá largaram a aquilo no fim....

Em suma, foi a primeira vez em praticamente vinte e dois anos que fui assaltado, quando até moro numa zona que ciganos abundam, e daqui tiro uma coisa: em tudo semelhante ao nome do antigo post, 'alguém me aluga uma espingarda'? Apetecia-me muito ter tido uma naquela altura. Tirando isso, tenho andado constantemente a adiar, mas talvez seja melhor começar realmente a ir para o ginásio para ver se deixo de ser assim tão magro, parece que não já alguns amigos me têem dito para ir para isso e para mais acaba por ser bom tanto para boas como más situações em que nos vamos envolvendo ao longo do tempo....

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Alguém me aluga uma espingarda?!!

Férias significa descanso, pasmaceira, lanzudice. Em poucas palavras, nada que eu não conheça, sinta ou abuse frequentemente. Está claro que existe sempre uma boa altura para levarmos uma cartuchada nas tão desejadas férias. Se estou em algum part-time? Bem que precisava possivelmente porque nada faço, mas não é esse o caso. O que é costume uma pessoa fazer quando está de férias? Levantar-se da cama tarde! É verdade, todos gostamos disso. Só quem não cria esse hábito é que também não acorda com aquele ar de quem está com as costelas todas partidas típico de quem fica acordado até muito mais tarde...

Mas digo isto essencialmente para quê. Para quê, para nada. É só um pequeno desconsolo estar de férias e no andar de cima do prédio onde vivo estar em obras e desde cedo acordo com o barulho. É isso e o excelente trabalho de amadores que têem feito. Estou sem televisão na sala porque o cabo que passa no prédio da antena foi estragado quando estes artistas arrancavam as paredes, a casa de banho está com um buraco enorme no tecto porque esta cambada de estúpidos não sabia bem qual era o comprimento da placa que separa os dois andares e já não me recordo quantas vezes tive eu de ir aspirar aquela porra toda que está quase todos os dias a ficar cheia de pó e pedras......

A vida é bela.....

domingo, 11 de julho de 2010

Aldrabizalhando entulho

Sempre que é verão felizmente há sempre bons cartazes de festivais de música. Está claro que digo isto porque também há os maus, péssimos ou mesmo os 'não estou para pôr lá os pés nem que me paguem'... Mas adiante, dia 8 lá fui eu ao Alive. Não fui dia 10 porque sou particularmente estúpido, e não porque já tinham esgotado, isso é a apenas a desculpa mais viável... Andava eu a pensar em ir desde que vi o cartaz e só a semana e meia do festival é que me surgiu aquela fugaz ideia de que se calhar para ir a um concerto convém comprar bilhete (mas só se calhar não sei!).......

Cheguei lá estavam para lá a tocar os Moonspell, grande banda de metal portuguesa, que por sinal tem um vocalista que pela voz parece que já não caga à mais de uma semana... Sim, instrumentalmente eles até são uma banda porreirita, mas aquele zuavo já se calava com aquela espécie de dialecto à coraçãozinho de satã, ou seja, pseudo-linguagem de casa-de-banho.....

Depois é que veio a melhor parte do concerto deles: foram-se embora. Acho que na plateia da emoção até foram derramadas lágrimas de alegria, depois de terem sido derramadas as de angústia, claro está...

Após um interlúdio lúdico para apertar os atacadores dos sapatos que haviam de estar atados, lá fui eu e uns amigos mais para a frente da plateia porque ia começar aquele que foi o melhor concerto da noite para mim: Alice in Chains. Confesso que conhecia algumas músicas deles, e foi uma grande surpresa para mim aquilo afinal ser tão bom! Adorei o concerto, foi mesmo espectacular (aqui sem as ironias do costume)!

Confesso que muita gente parecia mais empolgada com a banda do Mike Patton, Faith No More, mas pessoalmente achei aquilo uma valente porcaria, muito barulho para os ouvidos, muitas tentativas de levar uma cabeçada no nariz do gajo que estava à minha frente pela falta de espaço na altura, e muitos poucos trocos e paciência para sair dali e ir comprar uma jola....

Mudando de assunto. A Espanha foi campeã mundial pela primeira vez. O arbitro esteve muito mal no jogo. Distribuiu apenas cerca de 10 cartões amarelos e um vermelho. Devia ter sido mais, vinte e dois amarelos é que tinha sido justo. E todos para a Holanda! Se não dá para expulsar mais de 4 jogadores, então em frente até ao banco do suplentes, afinal ele existe para alguma coisa!....

Isto para dizer o quê - parece que a cada falta de um jogador holandês era amarelo, e se um espanhol ficasse com a perna de um jogador holandês colado ao piton, só era falta vai na volta se fosse no grande círculo do meio campo, e pela certa que não faltaria um biscoito para o espanhol...

Confesso que o primeiro mundial que vi foi em 1998, em França, e este, dos quatro que já vi, foi o pior, demasiadas surpresas nas principais selecções pela negativa, ao fim das contas não me parece plausível que uma selecção como o Paraguai que tem duas velocidades como 'estar parado' e o 'trinta segundos para estar parado por minuto de jogo jogado' consiga chegar aonde chegou, mas isto sou eu na minha óptica de encher chouriços....