sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Colecções

Toda a gente tem passatempos. E temos porquê? Porque faz parte. Há passatempos que são vícios e, como qualquer vício que se preze, destrói sempre qualquer coisa. Ou deixa sempre outras coisas a nós associadas mais vazias. Sim, os vícios são normais terem uma grande implicação na carteira de cada pessoa...

No fim deste ano que passou tomei uma certa consciência do problema que era continuar com o meu passatempo/vício de há mais de catorze anos. Até porque neste caso, foi uma recaída (parece que falo de droga, mas nada disso....) de algo que comecei a jogar na adolescência e foi um jogo que motiva uma enorme paixão...

Há cerca de sete anos para cá apenas coleccionava, pois com o passar dos anos o pessoal todo que jogava deixou isto, porque é normal. É curioso perder o interesse neste jogo depois de perder o mesmo por jogos de computador ou consolas, mas ao que parece teve uma importância na minha vida maior do que era expectável, ou desejável...

Já devem ter ouvido falar deste jogo pela certa, trata-se de Magic: the gathering. O que antes era um passatempo, pode-se dizer que se transformou em vício também pela vertente monetária que este jogo implica e pelo crescente valor unitário de certas cartas que sucedeu nos últimos anos. É muito difícil acompanhar, e se eu sempre gostei muito de coleccionar estas cartas, agora o valor de algumas é um completo exagero, um absurdo de dinheiro despendido e já não rende minimamente continuar com isto.

Em termos de jogos de cartas, este jogo sempre foi o que mais cativou pessoal em todo o mundo, tirando as cartas normais para jogar poker, bisca etc... É um jogo que se tem imensas possibilidades de fazer barulhos e inúmeras combinações possíveis para se poder ganhar. É isso, precisamente, que lhe gerou mais fãs, não ser um jogo linear. E sinceramente, para um jogo que é para maiores de 13 anos, é muito estúpida a incrível despesa que envolve, actualmente, o jogo.

Recordo-me que quando comecei a jogar era um jogo acessível. Hoje em dia é um jogo que pode afastar as pessoas a começarem a jogar muito simplesmente por ser caro, enfim.....

É bom ver isto como um 'teve de ser'. Há muitos tipos de colecções. Selos, postais, canetas, cromos entre outras. Esta minha colecção, que vou manter, há de ficar para sempre nas recordações de quando era mais pequeno, até porque comecei a jogar e coleccionar com pouco mais de dez anos...

2 comentários:

Mary Jane disse...

João,
tanta palavra, eu sem ter a miníma noção do que estás a falar, e depois de te sentir muito distante subitamente senti-te próximo. Fiz as contas e... "Ah, és da minha idade Joãozito!". Subitamente uma pessoa sente-se com direito a diminutivos e tudo, mas gosto de João, sem o anexo(zito).

João disse...

É possível ser mais ou menos o mesmo sim...

Eu também acho mais piada tratarem-me sem o anexo. Mas pessoalmente, só fico realmente lixado quando alguém mais novo que eu me trata por 'rapaz' hehehe...