sábado, 2 de fevereiro de 2013

A chamuça da morte VI

Decidi reactivar uma história que de brilhante tem pouco. A saga esteve parada dois anos e meio e hoje, a reler os antigos posts sobre isto quis dar uma continuação, só não é de esperar é uma conclusão tão cedo...quanto aos antigos posts da história estão visíveis na  etiqueta em baixo...


O vendedor de pneus transformou-se num lobo. Não que se tivesse transformado nesse animal, propriamente dito. Foi mais do uivo que soltou quando a chamuça ficou colada à sua testa. Sucede que a chamuça tinha um péssimo hábito de pensar que era uma fatia de pão, e colocava-se na minha torradeira formato Lego muitas vezes. E eu também tinha o péssimo hábito de atear fogo àquela porra...

Passado algum tempo o chefe Patas de Urso voltou a ir ter comigo, quando acabou o seu programa favorito, para me dizer que todas as questões sobre a chamuça se encontravam numa aldeia situada no mar. Eu desconfiei dele, e aproveitei para lhe relatar que ia me queixar ao bastonário da ordem dos estúpidos, uma vez que eu queria era saber as respostas, as questões ia inventado pelo caminho. Caminho esse que não sabia propriamente qual era...

- A Atlântida fica para ali. - disse o chefe. Não apontou o dedo para lado nenhum, estava de braços cruzados, olhos fechados...
- Chefe, diga-me mais qualquer coisa...
- Seja. Tu sabes onde é, guia-te pelo cheiro do mar...
- Quer dizer, está aqui um cheiro a feijão verde do caraças e acha que vou lá à pala desse cheiro?...
- Então apanha ali a auto-estrada que vai dar à ilha da Páscoa. Isso fica lá para esses lados, depois perguntas o resto...

Antes de me pôr a caminho apareceu o tal faquir que sabia a tabuada do um. Disse-me o seu nome ''Faquir', e deu-me um queijo e uma prancha de surf de ferro. Pelo que percebi, para proteger melhor dos ataques dos tubarões, e para me queimar as patas quando me pusesse em cima daquilo, em dias em que estar quarenta graus era um dia fresquinho, no mar alto...

Continua...

2 comentários:

Tétisq disse...

O quê?!?
Anda uma pessoa a tentar licenciar-se em história, para seres tu a descobrir a Atlantida por causa de uma chamuça?

João disse...

A chamuça ilumina o caminho. É um bocado como quando se quer andar e se está bêbado, embora aí se ande aos ésses...