domingo, 7 de abril de 2013

Aprender a brincar com o que se tem e não com o que não se pode ter

Eis que o tribunal constitucional meteu um travão naquilo que o governo pensava ser legítimo de pedir aos portugueses. É muito bom haver confiança, desde que os índices dessa confiança não passem o limite do razoável. O que nos vai safando é haver a Constituição portuguesa, porque sem ela, provavelmente estávamos entregues a governos típicos de países de terceiro mundo, em que há poder absoluto nas mãos de corruptos que se estão nas tintas para o povo e querem é enriquecer os bolsos...

Até não creio que seja esse o caso do nosso governo, mas este tem de considerar tudo aquilo que já foi comentado a nível internacional por pessoas que percebem do assunto: só austeridade não nos leva a lado nenhum. Ou melhor, a um caminho nos leva, não é é aquele que se deseja...

A solução, dizem eles, é cortar despesas do Estado. Quem sabe não lhes passa pela cabeça cortar na própria assembleia? Quantas pessoas não se vê lá que apenas se limitam a aplaudir o que um elemento do seu partido diz? Não sei se repararam, mas falam sempre os mesmos, o resto, na maioria advogados, porventura estarão a trabalhar em assuntos não-parlamentares sobre a sua profissão em si... São pagos para aplaudir? Em 230 deputados, só seis ou sete é que palram, e têm as regalias que se sabe? Ridículo.

Durante anos não sei quantos políticos puderam se reformar com 40 e poucos anos devido aos anos de vida política que lhes multiplica os anos de trabalho para chegar mais cedo à reforma (só a senhora presidente da AR foi aos 42 quer dizer) e só agora pararam com essa hipótese em tudo injusta para o resto dos portugueses...

E um problema bem grande que também existe? A oposição ao governo é a pior desde que me lembro. Nunca um governo teve uma oposição tão fácil de lidar, que nem os portugueses acreditam minimamente que faça bom trabalho. Ou seja, mesmo que se fosse a eleições, não era nada certo que fosse a oposição a ganhar: pura e simplesmente, são maus demais, nunca apresentam medidas nenhumas, só rebaixam o governo sem eles sequer perceberem bem porquê, em concreto.

É triste...


1 comentário:

agatxigibaba disse...

É esse o nosso grande problema: estamos mal e não há solução aparente.