terça-feira, 9 de maio de 2017

Nomes normais

Não percebo aquele conjunto de pessoas que não consegue perceber inglês. Toda a gente apanha-se a ter de aprender a língua ainda antes de ter todos os dentes! (e que conveniente são essas idades, uma vez que pode-se andar à porrada à vontade que ainda temos dentes de leite, logo os outros ainda vão crescer)

Como eu relatava anteriormente, é estranha a dificuldade de certas pessoas com o inglês tendo em conta que, por comparação direta, o português é bem mais difícil. Todos os portugueses se enganam a escrever e a falar. Uns mais que outros. Nós temos aquela panca pelos verbos terem um sem número de tempos verbais e às páginas tantas cremos estar a falar/escrever muito bem quando na verdade bem que já podíamos estar a levar no lombo só pelo simples facto de não nos lembrarmos que o novo acordo ortográfico é uma desculpa para 'abrasileirar-mos' palavras como facto por fato mas que na teoria, mesmo que nos soe muito, muito mal, é o português que temos!

Hoje em dia dá-se muito trabalho, certamente, aos editores de conteúdos. São eles os nazis da gramática e é dever deles corrigir o modo como são escritas as bacoradas dos argumentistas...

Até temos exemplos de nomes que quando se passa para o feminino ou masculino já não fazem qualquer sentido, e que por vezes até se transformam em adjectivos. Por hipótese: o nome Bárbara. É um nome feminino até bastante bonito. Que pense então um casal qualquer que acabou de ter um casal de gémeos em dar os nomes de Bárbara e Bárbaro!

- Bárbaro António, comporte-se! - como diria qualquer um dos pais, uma vez que é típico usar os dois primeiros nomes quando alguém se portou mal.

Também se faz muita magia com certas expressões que quando traduzidas à letra para outra língua, não fazem qualquer sentido num certo e determinado contexto!

- Estás a deitar tudo a perder!
- You're laying down everything to lose!

Sem comentários: